DIR/FLOORTIME- Capacidade 3: Ciclos de Comunicação

Capacidade 3: Ciclos de Comunicação (Comunicação de duas vias objetiva)


A partir do momento em que a criança esteja calma e regulada, e mais engajada em um mundo compartilhado, é fundamental que ela aprenda a comunicar de forma significativa.

Para construir as habilidades verbais, a criança o faz sobre a comunicação não verbal. Para que as palavras tenham significado e para usar a linguagem com sucesso, eles primeiro precisam dominar comunicação com gestos.


O domínio desse nível é fundamental para o desenvolvimento das capacidades sociais e emocionais. As crianças que não sabem ler e responder a expressões, gestos, postura corporal, têm dificuldade em saber o que fazer e quando fazê-lo.


Aqui começamos a ver um bebê responder com interações usando contato visual e gestos, como pegar uma chupeta da mão do cuidador.


Cuidador e bebê trocam sinais um com o outro por um motivo como sorrir para receber um sorriso de volta.

Os bebês podem deixar o cuidador saber o que eles querem por meio de gestos e sinais. Eles podem demonstrar alegria ao estender a mão quando querem algo que o cuidador está segurando, por exemplo.


Eles também estão começando a perceber um mundo espacial à medida que observam a queda de um objeto e estão formando uma sensação de eu e você, e uma sensação de realidade.



Em crianças com desenvolvimento típico, esse estágio começa na idade de quatro a dez meses.

Em criancas em que a conexão sensório-afetiva-motora é um desafio, eles podem ser capazes apenas de interações muito breves. Eles acham difícil expressar suas necessidades sem gritar ou chorar.


Assim, seu comportamento pode ser mais impulsivo e imprevisível.


Quando um pouco mais velhos, eles podem bater em outra criança para conseguir o que querem, porque eles não conseguem descobrir como usar o contato visual e sinalização emocional para mostrar à criança que eles querem uma volta, por exemplo.


Em vez de iniciar interações, a criança responderá principalmente aos cuidadores.


No DIR/Floortime tentamos trabalhar as interações de ida e volta (reciproca) enquanto apoiamos a regulação da criança, compartilhamos atenção, engajamento e relatividade conosco.


Pode ser feito, porém, quando seguimos o que a criança mais se interessa, porque esta é a janela para o seu mundo emocional.

Quando somos bons observadores, podemos juntar-nos a eles nesse mundo e atraí-los para essas trocas de ida e volta, ou círculos de comunicação como o Dr. Greenspan gostava de chamá-los.

Referencia: Engaging Autism- Usando a abordagem Floortime para ajudar as crianças Relacionar, comunicar e pensar

STANLEY I. Greenspan, MD SERENA WIEDER, PH.D.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2017 por Motivação Autismo - Curitiba/PR