Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Como manter a própria regulação emocional enquanto auxilio a criança ?

February 13, 2018

No dia a dia e nos momentos específicos em que trabalhamos com nossas crianças com TEA, precisamos estar atentos ao nosso próprio estado emocional, pois, este, influencia o estado emocional de nossa criança.

Para avaliar a própria regulação emocional é preciso avaliar o grau de reações físicas, emocionais e cognitivas que temos ao nos depararmos com determinados comportamentos de nossa criança. Dependendo de nossas reações, ficamos incapazes de pensar e agir com clareza e precisão necessárias a uma determina situação.

Alguns comportamentos desencadeantes típicos que provocam reações mais enérgicas são: reações ou comportamentos da criança nos momentos de angústia, pouca flexibilidade da criança, ecolalias e perguntas repetitivas, birras e manhas excessivas e comportamentos tipicamente disfuncionais/improdutivos.

Normalmente, não é o comportamento em si, mas a maneira como nós pensamos sobre o comportamento que desencadeia a reação excessiva em nós mesmos.

É necessário identificar expectativas inadequadas e padrões de pensamento que possam servir como gatilhos cognitivos para nossas reações.

Referindo-se às ações da criança que você identifica como desencadeadoras de reações excessivas em você, faça-se as seguintes perguntas:

 

O que essa ação diz sobre a criança? O que essa ação diz sobre você como pai/mãe/profissional? O que essa ação diz sobre o futuro? Quão verdade são essas crenças?

 

 

 

Diante dessas perguntas, algumas respostas podem surgir para melhorarmos nossa regulação emocional nessas situações:

Determinar se precisamos de uma ajuda extra( psicoterapia/medicação/relaxamento/horas para si)

Aprender a importância de diminuir o ritmo ao se envolver com a criança, para fornecer-lhe o tempo para processar de forma eficaz.

Saber como e quando "parar a ação" e fazer pausas.

Pensar sobre a criança numa perspectiva de crescimento positivo e também praticar o pensamento sobre o progresso como uma série de etapas muito pequenas, mas muito mais importantes.

 

A atitude mais importante que podemos tomar para nos tornar um guia mais eficaz é reconhecer quando a interação não está sendo produtiva e permitir-se "parar a ação" e fazer uma pausa ao lado da criança. Não abandonar a criança, mas dar um tempo naquela situação.

Referência: https://stage.rdiconnect.com/resources

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags